Organização Smite banida da liga profissional após jogadores se recusarem a assinar contrato de salário de $ 1

smite organisation banned from pro league after players refuse sign 1 salary contract

Paradigma de Smite

A Paradigm foi efetivamente proibida de formar equipes Smite futuras pela Hi-Rez Studios depois que os desenvolvedores foram forçados a mediar as discussões de contrato que viram os jogadores recusando um salário de $ 1.



o melhores jogadores LoL do mundo não estão sendo oferecidos esse tipo de salário. Apenas dizendo.



A disputa havia durado mais de uma semana, já que os jogadores da Paradigm estavam sendo solicitados a assinar um contrato pela administração antes de competir em mais partidas da Pro League.

A equipe, atualmente em segundo lugar na divisão de outono da Europa, foi disse na terça desta semana pelo representante legal da Paradigm David Fry: “Você vai assinar o seu contrato, hoje, ou não vai jogar. Que simples.'



Detalhes do contrato lançado pelo carry playerJeroen “Xaliea” Klaver em um TwitLonger ontem mostra que o acordo que os jogadores estavam sendo instruídos a aceitar era de um salário de $ 1 por mês, com uma participação de 75% nos ganhos do torneio (após impostos e despesas de viagem) e 0% nas vendas de mercadorias do jogo.

Mais registros de bate-papo entre o capitão da equipe Emil “Lawbster” Evensen e a gerente Lydia Picknell sugerem que a centelha original do conflito dentro da organização foi o cálculo incorreto dos custos tributários como resultado da incorporação da organização como uma empresa canadense.

Antes desses detalhes virem à tona, a Paradigm emitiu um declaração em que a administração afirmou que os jogadores foram a fonte de conflito nas negociações.



“Os jogadores queriam manter isso como uma divisão de 100% dos ganhos para eles mesmos, sem ajudar a Paradigm a pagar as despesas comerciais, enquanto a administração queria fazer a organização crescer”, diz o comunicado. “Os jogadores tiveram muitas negociações e opções de contrato, todas rejeitadas ao longo de três meses. Os jogadores então escolheram esta semana para procurar um novo patrocinador sem avisar a Paradigm com antecedência e nos pediram para entregar a vaga para o capitão. Estávamos dispostos a vender o anúncio, mas precisávamos da cooperação dos jogadores para encontrar um bom negócio, em respeito ao seu trabalho árduo. Eles não trabalharam conosco e, em vez disso, tornaram-se extremamente hostis ”.

Depois de saber do impasse nas negociações em 2 de setembro, Hi-Rez começou a mediar a discussão e a investigar as circunstâncias do fracasso em chegar a um acordo.

“Em 5 de setembro de 2016, recebemos informações de que a Paradigm estava exigindo que os jogadores assinassem contratos com termos grosseiramente desfavoráveis”, a decisão competitiva lançada pela empresa estados. “Antes de podermos concluir nossa investigação, a Paradigm nos enviou uma carta de demanda eletrônica em 7 de setembro de 2016, alegando ações contratuais e de responsabilidade civil contra nós com base, em parte, em [um] congelamento temporário. Então, em 8 de setembro de 2016, a Paradigm veio a público, informando que se retiraria do SMITE “[não] importa qual seja o resultado” de nossa investigação. Concluímos nossa investigação mais tarde naquela noite. ”



A conclusão de que Hi-Rez chegou é conceder o slot SPL aos jogadores, que agora estão em discussões com outra organização Team Orbit, enquanto efetivamente pede ao Paradigm para não retornar ao Smite.

“Pedimos também que a Paradigm se abstenha de se envolver em quaisquer eventos ou competições de eSports futuros hospedados ou relacionados a nós, incluindo aqueles para SMITE e Paladins,” conclui a decisão.

A Paradigm atualmente tem uma equipe Overwatch, uma equipe Paladins (o futuro não está claro) e um jogador do Torneio Pokken, embora o futuro de toda a organização seja incerto, já que o proprietário, Picknell, expressou dúvidas sobre permanecer na indústria.

“Vou levar algumas semanas para descobrir o que quero fazer com minha carreira no futuro”, escreveu ela em um declaração já excluída . “Não sei se fui feito para esportes eletrônicos - sou muito legal, ingênuo e confio nas pessoas erradas repetidamente.”